segunda-feira, 16 de janeiro de 2017

O que fazer se o bebê está mordendo o peito?


Por Pítia Villar e Fernanda Rezende Silva
Revisão: Luciana Freitas



Mordidas no peito são uma reclamação comum das mães que amamentam - algumas chegam até mesmo a pensar em desmame por esse motivo. Vamos entender porque elas acontecem e o que pode ser feito para evitá-las.
O primeiro ponto que deve ser analisado: é mordida mesmo? Em alguns casos, o bebê não está de fato mordendo a mãe, mas ela tem essa sensação, pois sente dor e o peito acaba ferido. Vamos falar sobre as possíveis causas de “falsas mordidas” e, logo em seguida, falaremos das mordidas verdadeiras.

Pega errada
O bebê recém-nascido ainda está aprendendo a mamar; portanto, precisa aprender a pega correta para não ferir o peito da mãe. Se o bebê perde a pega quando está sonolento, é preciso ficar vigilante para agir antes que ele tente segurar o mamilo que escorregou com uma “mordida”. Para evitar esse problema, sugerimos que logo que o bebê começar a ficar “molinho” a mãe coloque o dedo mindinho no canto da boca do bebê, de forma que, se os lábios escorregarem, o bebê vai morder o dedo, e não o mamilo. Não tente tirar o mamilo da boca do bebê quando ele ainda está sonolento pois poderá acordá-lo, apenas mantenha o dedo no canto da boca até que o bebê termine de adormecer para depois tirar o mamilo.

Freio de língua curto

Se o bebê tem o freio curto, então ele precisa ser avaliado por um profissional, pois em muitos desses casos ele não consegue fazer a pega correta e acaba “mordendo” o peito da mãe.

Confusão de bicos

Quando o bebê usa mamadeira, chupeta, copo com bico/canudo, ou se a mãe usa bico intermediário de silicone, pode estar acontecendo problema na pega por causa desses utensílios e isso é sinal de confusão de bicos. Não importa se os bicos foram dados na saída da maternidade, se após o retorno ao trabalho ou se em ausências ocasionais da mãe - em qualquer situação há riscos. Um único uso de mamadeira, por exemplo, pode prejudicar a pega e causar mordidas. Copo de treinamento também pode prejudicar a pega, mesmo se usado sem válvula.

Nascimento de dentes

Quando os dentes nascem, a gengiva do bebê pode doer e coçar, e alguns bebês usam tudo o que estiver ao seu alcance para aliviar o desconforto, até mesmo o peito da mãe. É possível ajudar o seu bebê a aliviar o desconforto recorrendo a mordedores, picolé de leite materno e massagens com as pontas dos dedos na gengiva do bebê. É interessante oferecer esses recursos para ele se distrair durante o dia, tendo atenção especial no momento antes da mamada. Caso o dente esteja rompendo ou já tenha rompido, considere que o bebê ainda não se habituou aos novos “habitantes” da boca e pode levar algum tempo para que a pega se ajuste, portanto fique de olho na pega: peça para o bebê abrir um “bocão” quando for mamar.

Dente lascado ou quebrado 

Há casos em que o bebê quebra o dente parcialmente e ele não é restaurado de imediato, então a mãe começa a ser “mordida” pelo bebê. Depois que o dente é restaurado a sensação de mordida some - ou seja, o dente lascado estava roçando no mamilo e causava essa sensação de mordida. Se você desconfia que possa ser o seu caso, procure um dentista.

Boca ferida ou doente

É importante avaliar cuidadosamente a boca do bebê procurando qualquer situação diferente que possa estar causando incômodo. Estomatite, sapinho e aftas podem fazer com que mamar seja bem dolorido e por isso o bebê pode ter irritação ou mesmo morder o seio materno ao ser amamentado. Caso identifique marcas, feridas ou aftas na boca do bebê que causem incômodo ou dor não force a mamada. Nesse caso, é conveniente que seja oferecido leite materno ordenhado em um copo e que procure auxílio médico; assim, evita-se que o desconforto se transforme em greve de amamentação e qualquer outro dano ao bebê.

Mordidas verdadeiras
Durante a fase oral, que vai do nascimento até cerca de 18 meses, o bebê usa a boca para conhecer e experimentar o universo ao seu redor. É um momento marcado pela necessidade elevada de sucção, que deve ser saciada no seio. Por isso, alguns bebês mordem a mama da mãe e, quando já têm dentes, pode ser doloroso demais. Mesmo sendo algo característico dessa fase, isso não significa que não devemos fazer nada para tentar amenizar as ocorrências.
Se o bebê morde quando a mãe está distraída, pode ser que ele esteja usando a mordida para chamar a atenção materna. Como amenizar ou resolver o problema? Com carinho, brincadeiras, caprichar no contato olho no olho.
O bebê também sente a agitação do local e pode tentar demonstrar seu medo, agitação e insegurança com essas mordidas desagradáveis. Caso você esteja em um recinto agitado, desconhecido ou com visitas em casa, o ideal é tentar se retirar para um local mais calmo, de modo que o bebê mame mais tranquilamente.
Alguns bebês maiores podem acham entediante ficar “só mamando”, procuram mais atividades para fazerem enquanto são amamentados e, por conta disso, acabam descobrindo a “diversão” de mordiscar o mamilo da mãe enquanto mamam. Nesse caso, brinquedinhos ou colares de amamentação podem ajudar a distrai-lo e evitar mordidas.
E quando está tudo bem e o bebê simplesmente morde porque quer, ou porque acha divertido? A mãe deve tomar uma atitude para que o bebê entenda que morder não é bom, não é divertido. Não grite; tire o peito da boca do bebê introduzindo o seu dedo mindinho na lateral da boca para conseguir retirar o mamilo sem machucar mais e fale com voz firme que não é para morder. Não repreenda demasiadamente, mas também não brinque. Manter a postura séria, mesmo que o bebê sorria, faz com que o entendimento dele seja maior, pois a expressão da mãe representa muito mais para o bebê do que as palavras. Use frases curtas, sem muitas palavras, como por exemplo, "morder dói na mamãe". Por fim, espere uns minutos antes de oferecer o peito novamente. Sempre que a situação se repetir, busque ser consistente nas atitudes, repetindo continuamente a mesma ação e as mesmas palavras, se possível, pois o bebê associará "morder = sem peito". 

terça-feira, 3 de janeiro de 2017

Bebê não faz o peito de chupeta

Por Luzinete R. C. Carvalho (Psicanalista)

Para adormecer, o bebê precisa estar relaxado, sentindo-se seguro e acolhido.
O ato de sugar proporciona grande parte das sensações agradáveis e a tranquilidade que o bebê precisa para atingir tal relaxamento e conseguir adormecer e para continuar dormindo.
Se o bebê ou criança usa chupeta, esta serve para saciar a necessidade de sucção para adormecer.
A chupeta também é usada para acalmar o bebê ou a criança em situações de nervoso, irritação, quando se machuca ou se assusta por qualquer motivo.
Percebam que é um gesto inconsciente este de oferecer a chupeta para o bebê que chora, que se machucou ou que está sonolento.
Não vejo ninguém criticando um bebê, que usa chupeta, por precisar usar sua chupeta para dormir.
Nunca vi ninguém dizendo que um bebê, que usa chupeta, não pode usar sua chupeta para fazer sua soneca.
É o contrário, geralmente justificam dizendo que a chupeta é "só para dormir".
Mas vai um bebê precisar do peito da sua mãe para conseguir adormecer...
Me contem, quantas vezes ouviram críticas a respeito de bebês que precisam do peito para dormir?
Ninguém diz que um bebê não pode recorrer a chupeta para dormir, mas dizem que um bebê não pode recorrer ao peito para dormir.
E então, em uma grande inversão de conceitos e valores, dizem que o bebê faz "o peito de chupeta".
Como se o peito tivesse a função limitada de apenas alimentar.
Desconsideram o papel que o peito tem para transmitir segurança, tranquilidade, aconchego e para relaxar e acalmar os bebês.
Não.
Nenhum bebê faz o "peito de chupeta".
A chupeta é que é introduzida para: conter, acalmar, relaxar, tranquilizar, auxiliar no processo de adormecer, etc.
Se a chupeta foi introduzida, por qualquer razão, e serve como "suporte" em todos esses casos, as pessoas só precisam saber que o peito essencialmente também serve para tudo isso.
Se a chupeta é socialmente aceita, com tanta passividade e displicência, para ser usada em todos esses casos, então é preciso aceitar que o peito da mãe pode, e deve, ser oferecido sempre que o bebê precisar ser acalmado, acolhido, adormecido.
O papel da amamentação vai para além de saciar a fome física.
A amamentação também é aporte psíquico, também sacia a fome emocional.
Este texto não é para falar sobre os males e os riscos de oferecer a chupeta, que existem e devem ser levados em conta individualmente por cada família.
Este texto não é para que ninguém precise justificar ou explicar o uso da chupeta.
Este texto é para que as mães que NÃO usam a chupeta, possam se sentir a vontade para continuar recorrendo ao peito, caso vejam utilidade e necessidade.
Este texto é apenas para dizer que é errado criticar uma mãe por permitir que seu bebê adormeça mamando.
É errado criticar uma mãe por permitir que seu bebê se recupere de uma queda mamando.
É errado criticar uma mãe por permitir que seu bebê se acalme mamando.
A chupeta é colocada na boca dos bebês e crianças em todas as situações citadas (e muitas outras) sem que ninguém se exaspere, afinal, é para isso que a chupeta serve.
O peito, antes da invenção da chupeta (sim, a chupeta foi inventada depois do peito), sempre serviu para saciar todas as necessidades físicas e emocionais de um bebê.
Antes de criticar a maneira como uma mãe conduz a amamentação do bebê DELA, reveja seus preconceitos, reflita sobre a sua própria ignorância a respeito da amamentação.
Antes de criticar a maneira como uma mãe conduz a amamentação, respire fundo 10 vezes, e não diga nada sem se informar melhor sobre o assunto, e tentar perceber se, por acaso, não são os seus conceitos que precisam mudar, expandir, melhorar...
Resumindo, era só para dizer que:
- Bebês possuem necessidades não nutritivas de sucção.
- Não é errado bebê recorrer ao peito para dormir.
- Não é errado bebê recorrer ao peito para se acalmar.
- Não é errado a mãe acolher, acalmar e adormecer seu bebê no peito, se ela puder e quiser.
- É muito errado criticar uma mãe por causa da maneira que ela escolheu manejar a amamentação.
- Sempre dá tempo de refletir e mudar preconceitos.



sexta-feira, 9 de dezembro de 2016

A privação do afeto como recurso "educativo"

Por Luzinete R. C. Carvalho ( Psicanalista )
Publicado originalmente em: https://www.facebook.com/notes/vis%C3%A3o-clara/a-priva%C3%A7%C3%A3o-do-afeto-como-recurso-educativo/370263859987720

Quando nos apaixonamos, quando amamos alguém, ou mesmo queremos bem alguém, procuramos conhecer seus gostos, suas vontades e suas necessidades.

E sem que represente um sacrifício, tentamos corresponder aos anseios e desejos da pessoa querida.

Tentamos nos mostrar interessados em seu bem estar e em sua felicidade de mil maneiras muito pessoais.

Telefonamos, mandamos mensagens pelo what's app, recados pelo facebook.

Levamos para jantar no restaurante preferido, levamos em shows e passeios que agradem.

Quando vemos em uma loja algo que a pessoa gosta pensamos em comprar, mesmo não sendo nenhuma "data especial", pois a pessoa é especial e vale o presente fora de hora.

Para facilitar a reflexão, e evitar distorções desnecessárias, aviso que neste texto estou falando de relações saudáveis, onde o carinho e atenção são recíprocos, onde não há abuso de um lado, nem baixa autoestima de outro.
Estou falando de relações nas quais nos sentimos bem em deixar claro que conhecemos muito bem os gostos, as vontades e as necessidades da pessoa.

Estou falando de relações em que nos sentimos bem quando acertamos no presente, na guloseima, no passeio, na surpresa.

Nos sentimos genuinamente felizes quando deixamos claro o quanto conhecemos a pessoa querida, e o quanto conseguimos supri-la com nosso carinho, atenção e amor.

É a frase feita, mas que é tão verdadeira quando diz que "não basta amar, é preciso conseguir fazer com que a pessoa se sinta amada".

E quando amamos uma pessoa nos esforçamos para que ela se sinta amada do jeito que ela entende que é amada. 

Apenas me pergunto as razões disso ser plenamente aceitável quando se trata das relações entre adultos, mas quando se trata de amar nossos filhos pequenos, a regra não vale...

Se nos esforçamos tanto para que um adulto se sinta amado do jeito que ele precisa, por que criticamos quando os pais tentam fazer com que seus bebês e suas crianças se sintam amadas do jeito que elas precisam?
Serei mais clara.

Bebês e crianças pequenas não vão entender se você apenas disser "eu te amo".

Tenho minhas dúvidas se apenas dizer "eu te amo" é o suficiente inclusive para adultos.

Bebês são mais simples que os adultos, não precisam de presentes, não precisam de eventos elaborados, não precisam de declarações rebuscadas.

Bebês entendem que são amados através do abraço, do toque, do peito, do colo.

Se um bebê chora precisando de colo, não vai ser o suficiente acenar de longe dizendo que estamos ali.

Se um bebê chora precisando de peito, não vai ser o suficiente ficar por perto repetindo que o amamos, com voz branda e mantendo-nos calmos e tranquilos. 

Os profissionais e as pessoas em geral precisam parar de recomendar que mães e pais neguem colo para seus bebês e crianças.

As pessoas precisam parar de recomendar que mães neguem peito como forma de consolo para seus bebês e crianças.

Não entender o papel da amamentação, do colo, do contato físico na formação de uma base emocional forte e saudável da criança é estar, além de limitado, ignorante de muitos estudos a respeito do assunto.

Amamentação é nutrição física e também emocional.

Colo é nutrição emocional e psíquica.

É cruel, ignorante e perigoso  negar que uma criança se sinta amada do jeito que entende: através do peito, do abraço, do contato físico, do colo.

E vamos deixar tudo bem claro para não haver más interpretações: não me refiro a situações em que pode ser impossível amamentar ou pegar no colo, não me refiro a situações em que a própria criança não deseja ser tocada ou embalada.

Me refiro a situações em que deliberadamente, sem nenhuma necessidade real, se aconselha que mães e pais neguem para bebês e crianças aquilo que é plenamente possível ser oferecido. 

Me refiro a situações nas quais, sem nenhuma razão verdadeira, se nega carinho, afeto e aconchego do jeito que um bebê pode compreender.

Vários são os pretextos para que se indique a negação do afeto: preparar a criança para vida, treinar para que durma, treinar para que obedeça, "educar", castigar.

Percebam que a privação do afeto é usada tanto como desculpa para "educar" quanto para punir.

A natureza dúbia deste recurso já deveria ser o suficiente para que relutássemos em aceita-lo.

A privação do afeto é usada para manipular, chantagear e amedrontar.

O amor e o afeto dos pais ficam condicionados a um suposto "bom comportamento" por parte do bebê ou da criança, que na maioria das vezes ainda nem consegue compreender o que está sendo esperado ou exigido dela.

Geralmente os pais não se sentem confortáveis em aderir a este tipo de recomendação, geralmente os pais estão passando por alguma situação em que já esgotaram seus próprios recursos para solucionar a questão, e acabam cedendo mediante previsões nada boas sobre o futuro dos filhos, que, segundo muitos profissionais, se tornarão mimados e dependentes.

Os pais são estimulados a negarem afeto aos filhos como forma de se mostrarem firmes e fortes. Aqueles que não seguem as recomendações são taxados de manipulados e fracos.

A verdade é que não se prepara uma criança para a vida através de lições que deixam a mensagem de que ela não pode contar com as pessoas em quem mais confia, nos momentos em que mais precisa.
Não se educa através do medo de perder o amor.
Não se fortalece uma pessoa abalando suas bases emocionais com negativas de carinho e segurança.

Não vou incluir neste texto considerações sobre muitos estudos sérios que falam da importância da amamentação, do colo, do toque e do contato físico para a formação do cérebro do bebê durante seu primeiro ano de vida.

Aqui me basta dizer que os estudos sérios existem, inclusive sobre a importância do contato físico e do acolhimento nos primeiros anos de vida para o desenvolvimento da inteligência emocional do ser humano.

Por hora basta dizer que estudos sérios e confiáveis existem, e uma pesquisa simples pode dar acesso a eles.

Neste texto quero apenas instigar uma outra visão sobre o assunto e propor uma reflexão inicial necessária a cada pai e mãe, sobre quais mensagens gostariam de deixar gravadas na mente e no coração dos seus filhos.

Se tanto nos esforçamos para atender aos desejos, necessidades e anseios de quem amamos, como podemos recomendar que se negue para um bebê ou para uma criança aquilo que ela precisa no momento, para se sentir tranquila, calma, relaxada e segura?
Se fazemos tudo que está ao nosso alcance para que quem amamos sinta nosso amor do jeito que conseguem, então que façamos o mesmo com nossos bebês e nossas crianças.

Não precisamos negar ajuda, afeto e acolhimento para nossos filhos pequenos por medo de não prepara-los bem para o futuro.

Não precisamos criar momentos de frustração e batalhas que servem apenas para desgastar a família e destruir o vínculo entre pais e filhos.

Não precisamos negar ou privar nossos filhos de afeto sem necessidade, o tempo inteiro surgem frustrações e situações em que realmente a negativa é necessária e verdadeira.
A verdade pura e cruel é que a vida, dinâmica em sua natureza, proporciona, e sempre  proporcionará, muitas situações em que nada poderemos fazer para consolar nossos filhos.
A vida por si só trará frustrações e dissabores que não poderemos evitar, e, na melhor das hipóteses, nos restará apenas estar ao lado deles, torcendo para que a fortaleza interior adquirida ao longo da vida, os ajude a suportar e superar as dificuldades.

Que possamos então fortalece-los em suas bases emocionais, enquanto nos é possível agir ativamente para contribuir que desenvolvam a resiliência tão necessária diante as adversidades inevitáveis.

Que possamos mostrar para eles que não importa onde estejam, nem o que tiver acontecido, que somos nós, seus pais, as pessoas em quem eles sempre poderão confiar e contar, ainda que apenas para oferecer a oração, a torcida, o carinho, a companhia.

E enquanto são bebês e crianças que possamos ter a liberdade de demonstrar o quanto são amados do jeito que conseguem entender, através do peito e do nosso colo quente e seguro.

A verdade é que nunca mais teremos tempos mais felizes do que esses em que conseguimos resolver tudo e ajudar nossos filhos com um "simples" abraço. 



sexta-feira, 11 de novembro de 2016

Refluxo patológico em bebês – Conceito, diagnósticos diferenciais e tratamento

Por Ana Carolina Dantas Loureiro

CONSIDERAÇÕES INICIAIS

Refluxo Gastroesofágico é a passagem de conteúdo gástrico ao esôfago. Por ser considerado um evento normal nos bebês, dada a imaturidade da válvula entre o esôfago e o estômago, é chamado de Refluxo Fisiológico. Os bebês que refluem rotineiramente sem demonstração de incômodo são considerados “golfadores-felizes”, dispensando preocupação e intervenção médica.

A regurgitação de um bebê em aleitamento materno exclusivo não significa que o bebê mamou demais, mas apenas que a válvula (cárdia) é imatura. Desse modo, com os meses e amadurecimento do organismo da criança, esse refluxo tende a melhorar sensivelmente sem a necessidade de intervenção médica ou farmacológica.

O Refluxo é oculto quando o indivíduo não regurgita (golfa).

Excepcionalmente, o refluxo pode ser considerado uma doença quando associado a outros sintomas ou complicações (Refluxo Patológico = Doença do refluxo gastroesofágico), passando a incomodar o bebê e afetar o ganho de peso. Como se demonstrará, o melhor tratamento é adoção de medidas posturais e bons hábitos.

Destaque-se que há um grupo de bebês que apresenta uma maior probabilidade de incidência de Refluxo Patológico, quais sejam: neuropatas, portadores de síndromes genéticas, de atresia de esôfago operada, de doença pulmonar crônica, prematuros e as crianças com sobrepeso e obesidade (estas, em caso de aleitamento misto ou em uso exclusivo de leite artificial). Tais casos merecem o acompanhamento do profissional gastropediatra em caso de suspeita da Doença do Refluxo Gastroesofágico.

DIAGNÓSTICO DO REFLUXO PATOLÓGICO

O diagnóstico do Refluxo é realizado com maior exatidão a partir da clínica (com base nos sintomas e exames físicos).

Ressalte-se que os exames disponíveis não são efetivamente precisos para identificar refluxo em crianças e, muitas vezes, incapazes de diferenciar o Fisiológico do Patológico – a exemplo da ultrassonografia de abdome. Outros exames são muito invasivos, não devendo ser passados de rotina – inclusive porque, como dito, a melhor forma de diagnóstico do Refluxo Patológico é a clínica do paciente (padrão-ouro em diagnóstico).

Tratando-se de bebês, sintomas inespecíficos (como choro, dificuldades com o sono e irritabilidade), não são suficientes para a conclusão do diagnóstico.

Desse modo, antes de se concluir por Refluxo Patológico, é importante investigar se há livre demanda de leite materno, ausência de bicos artificiais e se o bebê tem muito acesso ao colo e contato com a mãe, quando preservada a exterogestação. Isso porque são questões que podem afetar o estado geral da criança e influenciar no ganho de peso.

De igual forma, como os bebês nascem neurologicamente imaturos e totalmente dependentes de seu cuidador principal (no caso, a mãe), é natural que sofram se deixados muito tempo no berço ou em um local em que se sintam fragilizados – sem que esse desconforto seja exatamente uma dor física. Sobre o assunto: A cólica, por dr González, Livre demanda: o que realmente é, Teoria da extero-gestação, O Conceito do Continuum.

Destaque-se que a amamentação não serve apenas para alimentar, mas também para matar a sede, satisfazer a necessidade de sucção e calor. Por isso, os lactentes precisam muito de colo e leite materno quando novinhos, muitas vezes até para permanecerem dormindo.

Dito isso, é comum que o bebê não consiga dormir diretamente no berço ou desperte pouco após ser colocado nele. Nesse caso, a falta de sonecas de qualidade pode deflagrar uma irritação por cansaço excessivo (efeito vulcão).

Outro ponto a ser afastado é o uso de bicos artificiais no caso de bebês em aleitamento materno, pois alguns dos possíveis sintomas de Refluxo Patológico se parecem com confusão de bicos, como exemplo: arquear o corpo para trás ao mamar, mamadas rápidas, irritabilidade e dificuldade no ganho de peso.

Confusão de bicos é um fenômeno reconhecido pelo Ministério da Saúde e OMS, que contraindicam bicos artificiais para bebês amamentados, pois a musculatura envolvida para o bebê pegá-los é diferente da usada no peito. Com isso, pode-se estimular uma musculatura orofacial inadequada, impedindo o lactente de ordenhar corretamente o peito, prejudicando a produção de leite, dentre outros possíveis malefícios.

Por fim, necessário ainda excluir a hipótese de hiperlactação da nutriz, tendo em vista que o fluxo de leite pode ser maior do que o bebê consegue administrar, especialmente nas primeiras semanas após a apojadura.

Vale enfatizar que deve ser sempre preservada a livre demanda ainda que confirmado o Refluxo Patológico, pois o controle de horários para as mamadas é inútil no tratamento e pode causar ainda mais sofrimento ao lactente, com riscos à sua adequada nutrição.

O aleitamento materno é recomendável quando há Refluxo Patológico, sendo equivocada orientação de desmame nessa hipótese. Nenhuma fórmula é tão boa ao bebê, inclusive em caso de Refluxo Patológico.

ALERGIA ALIMENTAR E REFLUXO
 

Há refluxo que decorre de alergia alimentar, sendo a Alergia à Proteína do Leite de Vaca (APLV) a mais comum em bebês. Quando o Refluxo Patológico é consequência da APLV, melhora gradualmente com a dieta correta.
 

Ocorre que Refluxo não costuma ser um sintoma isolado em Alergia Alimentar. Por isso, em caso de só haver sintomas de Refluxo Patológico, apenas essa condição merece um tratamento inicial, para se evitar uma dieta desnecessária e até prejudicial ao bebê, especialmente porque o contato com proteínas potencialmente alérgenas, via leite materno, ajuda a evitar alergias na fase de introdução alimentar.
 

Em regra, os alimentos ingeridos pela mãe que amamenta não causam refluxo no bebê - nem quaisquer outros incômodos. A única exceção é para o caso de confirmação de alergia alimentar a alguma proteína.

TRATAMENTO
 

Como dito, Refluxo Fisiológico é natural em bebês e não requer tratamento.
 

O mesmo acontece com bebês que apresentam sintomas leves de Refluxo Patológico, no qual o tratamento com remédios é desnecessário (e até prejudicial face alguns dos efeitos adversos possíveis e falta de eficácia comprovada de outros), podendo se resolver espontaneamente com o crescimento da criança, sem sequelas.
 

Confirmado o diagnóstico de Refluxo Patológico, o tratamento conservador (não farmacológico) é recomendável, podendo trazer benefícios sem efeitos colaterais.
 

O tratamento do Refluxo Patológico dá-se de forma progressiva, começando com as medidas posturais e novos hábitos. Após, permanecendo o incômodo do paciente, pode-se associar tais práticas a determinados remédios, sob supervisão médica especializada.
 

A posição prona (barriga para baixo) consiste na postura anti-refluxo mais eficaz. Porém, recomenda-se que todos os bebês (até conseguirem se virar sozinhos) durmam na posição supina (barriga para cima) por diminuir o risco de morte súbita.
 

São exemplos de medidas posturais: mamar mais ereto, como na posição cavaleiro, deixar ereto após mamar, não usar fraldas ou calças apertadas.
 

A elevação da cabeceira da cama/berço com calços (no mínimo 30 graus) é relatada como medida postural que traz benefícios. Para tanto, pode-se usar livros ou pedaços de madeiras. Por sua vez, travesseiros e colchões anti-refluxo podem não ter a mesma eficácia, apesar de usualmente empregados.
 

O uso de slings ou cangurus ergonômicos pode ajudar a manter a criança em posição ereta, equilibrando o peso da criança, com maior conforto ao cuidador.
 

Importante ainda evitar a exposição ao cigarro (fumo passivo), pois o tabaco induz o relaxamento da cárdia (válvula entre esôfago e estômago) – além de outros malefícios (aumenta a predisposição à asma, pneumonia, apneia e síndrome de morte súbita).
 

Nos indivíduos que apresentam sintomas severos de Refluxo Patológico sem melhora após a utilização das medidas posturais, é recomendável o acompanhamento com gastropediatra para investigação apropriada a partir da clínica e de exames (preferencialmente os menos invasivos).
 

Ainda que seja necessário ingressar com medicamentos, é importante a manutenção das medidas posturais acima indicadas.
 

Algumas medicações possuem reações adversas sérias que podem confundir sintomas, a exemplo de irritabilidade, falta de apetite e náuseas. Portanto, necessário que o médico acompanhe a evolução do paciente e que os pais estejam cientes desses possíveis efeitos presentes na bula.     

REFERÊNCIAS:   

CAVALCANTI, Maria Birman. A alimentação da mãe pode causar cólicas e gases no bebê? Disponível em <http://grupovirtualdeamamentacao.blogspot.com.br/2016/10/dieta-altera-composicao-do-leite-materno.html>  

CAVALCANTI, Maria Birman.  Carregadores de bebês. Disponível em <http://grupovirtualdeamamentacao.blogspot.com.br/2016/11/carregadores-de-bebes.html>

Consenso Brasileiro sobre Alergia Alimentar 2007 - Documento conjunto elaborado pela Sociedade Brasileira de Pediatria e Associação Brasileira de Alergia e Imunopatologia (ASBAI). Disponível em <http://www.asbai.org.br/revistas/vol312/ART%202-08%20-%20Consenso%20Brasileiro%20sobre%20Alergia%20Alimentar%20-%202007.pdf>   

Guia Prático de diagnóstico e tratamento da Alergia às Proteínas do Leite de Vaca mediada pela imunoglobulina E – elaborado pela Associação Brasileira de Alergia e Imunopatologia (ASBAI) e Sociedade Brasileira de Alimentação e Nutrição. Disponível em <http://www.asbai.org.br/revistas/vol356/Guia-35-6.pdf>.   

FERREIRA, Cristina Targ & outros. Doença do refluxo gastroesofágico: exageros, evidências e a prática clínica. J. Pediatr. (Rio J.) vol.90 no.2 Porto Alegre Mar./Apr. 2014. Disponível em <http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0021-75572014000200105&script=sci_arttext&tlng=pt>   

GONZÁLEZ, Carlos. Manual Prático de Aleitamento Materno. São Paulo: Editora Timo, 2014.  

GONZÁLEZ, Carlos. Un regalo para toda la vida - Guía de la lactancia materna. Trecho “A Cólica”. Disponível em <http://grupovirtualdeamamentacao.blogspot.com.br/2014/06/a-colica-por-dr-gonzalez.html>   

KARP, Harvey. The Happiest Baby on The Block. Trecho “Teoria da Exterogestação” disponível em <http://grupovirtualdeamamentacao.blogspot.com.br/2014/06/teoria-da-extero-gestacao.html

JUNQUEIRA, José Cesar da Fonseca. Doença do refluxo gastroesofágico: diagnóstico e tratamento. Disponível em <http://revistadepediatriasoperj.org.br/detalhe_artigo.asp?id=106>

Moderadoras GVA. O jogo hormonal entre mãe e filho na cama compartilhada. Disponível em <http://grupovirtualdeamamentacao.blogspot.com.br/2015/01/o-jogo-hormonal-entre-mae-e-filho-na.html>.

PANTLEY, Elizabeth. Soluções para noites sem choro. Trecho “O Conceito do Continuum - a importância da fase do colo” Disponível em: <http://grupovirtualdeamamentacao.blogspot.com.br/2014/06/o-conceito-do-continuum-importancia-da.html>

PEREIRA, Leidiana. Como identificar sinais de Confusão de Bicos. Disponível em <http://grupovirtualdeamamentacao.blogspot.com.br/2014/11/como-identificar-sinais-de-confusao-de.html>

 RODRIGUES, Maraci & outros. Manifestações clínicas, terapêutica e evolução de crianças e adolescentes com esofagite eosinofílica. Disponível em <http://dx.doi.org/10.1016/j.jped.2013.03.001>  

OLIVEIRA, SARITA. Hiperlactação ou hipergalactia: eu estou produzindo muito leite? Disponível em <http://grupovirtualdeamamentacao.blogspot.com.br/2015/01/quando-muito-leite-e-um-problema.html>  

 SILVA, Fernanda Rezende e GARCIA, Zioneth. O que acontece com os músculos bucais quando um bebê usa qualquer bico artificial (chupetas, mamadeiras, bicos de silicone) <http://grupovirtualdeamamentacao.blogspot.com.br/2015/03/o-que-acontece-com-os-musculos-bucais.html>

terça-feira, 1 de novembro de 2016

Carregadores de bebês


Por Maria Birman Cavalcanti
Revisão: Juliana Gieppner
 
O objetivo deste texto é incentivar as mães a carregar juntinho! O GVA entende que carregar bebês junto ao corpo preserva a exterogestação e facilita a amamentação. Queremos orientar os cuidadores em relação às questões fisiológicas que estão envolvidas no carregar para que isso possa ser posto em prática com conforto e segurança.  
Ao redor do mundo e através do tempo diversas culturas tradicionais desenvolveram formas de carregar seus bebês. Bebês pequenos têm extrema necessidade de colo e contato humano, e não costumam aceitar ser deixados sozinhos no berço ou no carrinho sem protestar. Há quem diga que se deve deixar o bebê chorar para “acostumá-lo” a ficar sozinho, que assim se tornará independente – o que sabemos que não é verdade. Quando uma mãe decide, por saber ser o melhor para ela e para o bebê, dar colo contínuo, em livre demanda, como pode então sair na rua, passear, ou mesmo executar tarefas simples dentro de casa, como lanchar ou mexer no celular, se tem as mãos constantemente ocupadas?
Felizmente, existem os carregadores de bebês, que são verdadeiros facilitadores de colo. Um carregador de pano ou uma mochila ergonômica funciona como um par de braços extra, que permite carregar o bebê junto ao corpo, satisfazendo sua necessidade de colo, aconchego e calor humano, ao mesmo tempo em que permite a quem carrega liberdade de movimento.
  
Nos primeiros três meses de vida do bebê, a fase da exterogestação, ter um carregador é muito útil para a puérpera. Nessa idade os bebês demandam muito colo e muitas mães não conseguem sequer comer ou usar o banheiro sem que a criança chore ao ser afastada dela. Nesses casos o carregador torna possível realizar essas atividades com a criança no colo e as mãos livres. Tarefas domésticas como lavar louça, varrer a casa ou passar as roupas do bebê também são possíveis. É muito comum recebermos queixas de bebês novinhos que fazem mamadas intermináveis – bebês são espertos, e se percebem que só tem colo e contato com a mãe quando estão sendo amamentados podem reagir a isso aumentando a demanda do seio. Carregar o bebê constantemente pode ajudar, nesses casos, pois a demanda de colo estará suprida e o bebê só irá mamar quando realmente o desejar.
Mais tarde, com bebês mais velhos, que já exploram outros espaços e não demandam mais tanto colo o pano de carregar continua sendo extremamente útil. Dá enorme liberdade para passeios, sendo muito mais prático que o carrinho no transporte público e em terrenos acidentados. É um ótimo aliado para ninar os bebês e colocá-los para dormir, especialmente na rua, quando estão fora de seu ambiente – mas se sentem em casa no colo das mães.
Para carregar recém-nascidos: o corpo do bebê deve estar apoiado completamente sobre o corpo da pessoa adulta, sem sobrecargas nas costas ou articulações. O joelhos ficam elevados, com as pernas formando um M, e a coluna fica em C, postura saudável e característica de bebês até os três meses. A ideia é que o pano proporcione estabilidade para esse apoio total corpo a corpo, como as mãos do adulto fariam naturalmente ao segurar a criança verticalizada no colo. O peso do bebê não deve recair sobre seu bumbum (numa posição “sentado”) ou sobre os tornozelos (numa posição de “sapinho” com os pés dentro do pano), mas sim sobre o corpo do adulto. A altura que o bebê fica em relação ao corpo do adulto é fundamental para garantir conforto para quem carrega – muito baixo ou muito alto, o peso do bebê forma um vetor que causa mudanças na postura do adulto, o que pode ocasionar dores na coluna. Um bebê bem posicionado não sobrecarrega a coluna de quem carrega, que consegue manter uma postura ereta e levar o peso do bebê sem, por exemplo, projetar o quadril ou abaixar os ombros. Conforme o bebê cresce e passa a sustentar melhor seu próprio peso, a posição que assume no carregador muda, naturalmente.
Há diversas formas de carregar bebês: diferentes tipos de carregadores, tecidos e acabamentos. As regras para carregar com segurança e conforto, entretanto, são as mesmas para todos os modelos.
Até os seis meses:
  • O bebê deve sempre ser carregado voltado para quem o carrega e nunca de frente para o mundo
  • O bebê deve sempre ser carregado na vertical
  • A coluna do bebê deve estar em forma de C
  • A coluna e o pescoço devem estar sustentados
  • O bumbum do bebê deve estar profundo em posição de cócoras
  • Os joelhos do bebê devem ficar acima do bumbum em forma de M
  • O assento deve fornecer apoio de joelho a joelho
  • O bebê deve ficar na “altura de beijinhos” (altura em que a pessoa que está carregando consegue beijar o topo da cabeça do bebê ao abaixar o rosto)
  • Os pés ficam para fora
Após os seis meses:
  • O bebê continua sempre de frente para quem o carrega, e na vertical
  • Conforme o bebê adquire mais controle da coluna, ele fica menos curvado
  • O pescoço não precisa ser sustentado pelo pano se o bebê estiver acordado
  • O bumbum deve ficar na mesma altura dos joelhos (posição sentado)
  • Carregadores pré-formados (mochilas e mei-tais) não precisam ir de joelho a joelho, desde que os joelhos estejam na mesma altura do bumbum – carregadores de pano devem continuar sendo usados de forma que deem apoio de joelho a joelho
  • O bebê deve ficar na altura de beijinhos, se posicionado na frente, e deve conseguir ver por cima dos ombros de quem carrega, se posicionado atrás
  • Os pés ficam para fora
Os cangurus tradicionais não são recomendados pois não são ergonômicos, isso é, não permitem que o bebê fique em posição fisiológica. Isso torna a experiência de ser carregado desconfortável para o bebê, que fica “pendurado” pela região genital, e pode protestar veementemente, além de perigosa, na medida em que a articulação coxofemoral (entre a perninha e o quadril) fica sem apoio, favorecendo a má formação do quadril, algo que pode repercutir até a vida adulta. Além disso ficar virado para o mundo é uma experiência sensorial estimulante demais para o bebê, que rapidamente se cansa e fica estressado.
Existem várias formas de carregar e o mais importante é atentar para a segurança: escolher um tecido que sustente o peso do bebê, que não seja quente demais e que deixe a pessoa que carrega confortável. É possível amarrar com xales, cangas, lençol, coberta, camiseta velha, tecido de sacaria... Desde que o bebê esteja bem ajustado e quem o carrega se sinta bem, um pedaço de pano com único nó pode ser o suficiente para levar um bebê numa amarração lateral.

Mochilas ergonômicas se parecem com os cangurus, mas conseguem manter o bebê na posição fisiológica, e são opções muito práticas para carregar. Elas não exigem amarração e são facilmente ajustáveis para diferentes bebês e corpos. Para bebês novinhos, que ainda não controlam a coluna, é preciso usar um insert, uma peça extra que torna a mochila segura para eles. 

Os panos de carregar bebê são conhecidos no Brasil genericamente como “slings” e são subdivididos nos seguintes tipos mais comuns:
  • Wrap: nada mais é do que uma faixa de tecido sem emendas, que pode ser amarrada em torno do torso para carregar o bebê. Os wraps são classificados de acordo com o material do qual são feitos e de acordo com o comprimento do pano. Existem wraps elásticos e rígidos/planos.


    • Wrap Elástico: pode ser confeccionado em malha ou dry-fit de poliéster ou poliamida. Deve ter entre 5 e 6 metros de comprimento, pois é preciso reforçar o assento com mais de uma camada de pano, e pode ter entre 60cm e 70cm de largura. É o tipo de carregador de pano mais fácil de encontrar e costuma ser o mais barato. Como são necessárias várias camadas de pano para sustentar adequadamente o bebê, costuma ser mais quente. 


    • Wrap de tecido plano/rígido: feito em tear industrial ou manual, pode ser bem curto, com pouco mais de dois metros de comprimento, ou longo, com até cinco metros, e tem 70cm de largura. Permite diversas amarrações diferentes, na frente, de lado e nas costas, com apenas uma camada de tecido, duas ou três. É o carregador mais versátil, dá conta de recém-nascidos e crianças mais velhas, aguenta bastante peso sem ceder e distribui o peso do bebê nas costas de maneira uniforme. Entretanto, é menos prático do que outras opções porque exige mais técnica para amarrar. Diversos materiais podem ser utilizados, entre eles o algodão, o linho e a seda, por exemplo. Algumas tramas são o jaquard, a sarja cruzada, a sarja diamante e sarja espinha de peixe. Os tamanhos longos (entre quatro e cinco metros, dependendo do tamanho da pessoa) possibilitam mais amarrações, mas também podem ser mais difíceis de manusear. Uma opção barata de wrap rígido é o tecido de sacaria, ou pano de prato. Ele já vem em rolos com 70cm de largura, basta comprar a metragem desejada para começar a usar. 

  • Sling de argola: é um carregador unilateral feito sempre de tecido plano – nunca de tecido elástico. Tem entre 1,80m e 2m de comprimento e 70cm de largura, e duas argolas especiais costuradas em uma das extremidades. É muito prático de tirar e colocar, pois não arrasta no chão, e pode ser usado com recém nascidos e com crianças mais velhas, que gostam de “subir e descer” do colo a toda hora. Para ser seguro deve-se atentar para as argolas apropriadas, que devem ser roliças e sem emendas, e para as bordas, que não podem ser acolchoadas para que sejam ajustáveis. Permite carregar a criança de frente para o cuidador ou de lado.


  • Mei-tai: é um carregador de pano inspirado nos carregadores tradicionais orientais, com um painel retangular onde a criança fica e quatro faixas para amarrar em volta dos ombros e do quadril. Permite levar o bebê na frente, nas costas e de lado. Existem versões “evolutivas”, nas quais é possível ajustar as medidas da base e das laterais do painel. Se for usado na frente as alças do mei-tai se cruzam nas costas, o que possibilita uma distribuição confortável do peso do bebê.

Mas... Qual é o melhor carregador de bebês??
Depende!
Depende de inúmeros fatores, mas aqui estão alguns que devem ser considerados: acessibilidade (o que eu posso adquirir nesse momento?); limitações do cuidador (carregadores e amarrações unilaterais não são recomendados para quem tem problemas de coluna); idade da criança (um recém nascido ainda precisa de apoio total da coluna até o pescoço, um bebê mais velho pode querer ver o mundo e se irritar por ficar barriga com barriga, um bebê que já anda pode querer subir e descer com frequência); preferência pessoal (há quem prefere a praticidade de uma mochila com insert, e quem adora aprender várias amarrações desafiadoras com um wrap rígido, há quem não goste de panos longos porque as pontas arrastam no chão); disponibilidade e vontade de aprender amarrações diferentes (um mei-tai, por exemplo, é mais simples de amarrar que um wrap...); condições do local onde vive e tipo de passeio que costuma fazer (wrap de malha e mochila com insert são muito quentes, e podem até superaquecer recém-nascidos no verão, enquanto mochilas e mei-tais são mais frescos), entre outras.
Quando o carregador é útil?
Bebê no colo, mãos livres, e nada de carrinho para empurrar, tudo ao mesmo tempo!! Além da liberdade de movimento que carregar no pano permite, o uso de carregadores traz outras vantagens, em diversos momentos ao longo da sua história com o bebê! Nos primeiros meses o pano recria o ambiente intrauterino (restrição de movimentos, barulho dos batimentos cardíacos, cheiro característico) e é uma ótima opção para acalmar bebês inquietos. Uma crise de choro – seja ela causada por “cólicas”, pela “hora da bruxa ou pela confusão de bicos – pode cessar muito mais rapidamente com a ajuda de um carregador e algum movimento do cuidador. Bebês com refluxo se beneficiam enormemente de serem mantidos em posição vertical. Quando a rotina é quebrada ou estamos fora de casa, tirar uma soneca amarradinho com a mamãe é uma ótima forma de isolar o bebê do excesso de estímulos do ambiente. Carregar no pano permite o colo contínuo, estreita laços entre cuidador e bebê, e facilita a amamentação. Por último, mas não menos importante: todos os cuidadores podem ser estimulados a carregar o bebê com ajuda de um carregador, não só a mãe!

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...