domingo, 18 de janeiro de 2015

Diga não ao desmame abrupto! (com dicas para desmame gradual)

Diante a tantos relatos de desmames abruptos e precoces que não resultam em melhoria no sono, pelo contrário, resolvi agrupar informações sobre desmame abrupto e possíveis consequências para a mãe e criança. Espero que sirva para reflexões gerais na comunidade.

O desmame abrupto é extremamente traumático para toda a família e isto infelizmente ainda é comum: algumas mães deixam de dar o peito de uma hora para outra, com soluções drásticas como dormir fora e deixar a criança aos cuidados de parentes, aplicar produtos desagradáveis nos seios para que a criança os rejeite pelo gosto ou ainda com mentiras, enganações e choques visuais, como exemplo usar um band-aid nos seios e dizer a criança que estão machucados.

A amamentação é algo TÃO importante na vida da mãe e da criança, foi o início de comunicação entre mãe e filho, foi fonte de nutrição, de afeto e não deve terminar de uma maneira brusca, com artifícios, enganações, mentiras, fazendo com que a criança talvez se sinta culpada por ferir sua mãe. Essa é uma responsabilidade e culpa enormes que são transferidas para o filho no evento de um desmame repentino. 

Quando perde o peito de repente, a criança se sente desolada, sofrendo uma perda, pode se sentir rejeitada pela mãe, gerando insegurança e muitas vezes rebeldia. A perda repentina do seio materno pode causar trauma emocional na criança, já que amamentação não é somente fonte de nutrição para o bebê, mas fonte de segurança e conforto emocional também. Não há absolutamente como explicar a um bebê que repentinamente não pode mamar mais. 

Desmames abruptos não permitem que ambas partes físicas e emocionais de mãe e filho sejam trabalhadas gradualmente. Por outro lado, ao promover um desmame gradual pode-se compensar aos poucos outros tipos de atenção para compensar a perda do contato íntimo da amamentação.

Na mãe, o desmame abrupto pode resultar em ingurgitamento mamário, bloqueio de ducto lactífero e mastite, além de tristeza ou depressão, por luto pela perda da amamentação ou por mudanças hormonais. Depressão pode surgir por um decréscimo abrupto dos níveis hormonais maternos, portanto mães com história anterior de DPP devem especialmente atentar para as consequências de um desmame abrupto. 

O desmame deve ser natural, consensual, em acordo entre mãe-filho, isto é, haverá um tempo e um ritmo próprio, um período da vida da mãe e do filho em que ambos aprendem a dar e receber alimento, aconchego e a se comunicarem de uma maneira nova, que não com os seios. São portanto três elementos a serem considerados de grande importância na amamentação: nutrição, afeto e comunicação. Quando os três itens estão plenamente supridos sem a amamentação num processo de autonomia e maturidade vindo da criança, um desmame gradual pode ser promovido.

Em outras palavras, deve ser resultado de uma maturidade da criança e não uma imposição da mãe ou de outros familiares ou conhecidos, ou ainda médicos. No segundo ano de vida a criança necessita de vários estímulos, brincar, cantar, dançar, adquire destrezas motoras, e começa o linguajar, que é uma forma poderosa de comunicação. Quando uma criança está em um ambiente seguro, rico em estímulos, recebe carinho e atenção também do pai, ela está mais apta ao desmame total com facilidade. 

Em termos de desenvolvimento, um desmame antes de 2-3 anos é precoce, o bebê ainda precisa mamar, ainda está em processo de individualização, ainda está na fase oral, os benefícios são muitos, enquanto que a troca por objetos para saciar a necessidade oral não apresenta vantagem alguma. 

As consequências para o cérebro em desenvolvimento de um bebê que é submetido a mudanças permanentes e abruptas, com interferência de estranhos, choro sem consolo, negação de afeto e violência emocional podem ser drásticas.

Bons vínculos
Texto de Claudia Rodrigues, jornalista e terapeuta reichiana, sobre desmame e vínculos: O desmame abrupto é o pior dos desmames. Quando a mãe retira a criança do peito forçando a introdução da mamadeira retira da criança um prazer evidente e inimitável, cujo calor, textura, cheiro e sabor jamais serão imitados.

A criança pode acostumar com o objeto substituto do seio, a mamadeira, e com o novo líquido não apresentando qualquer sintoma imediato, mas é bastante comum que poucos meses após um desmame abrupto comecem a ocorrer distúrbios de comportamento alimentar.

Mais cedo ou mais tarde a decepção por ter perdido algo que era tão caro à criança, começa a ser processado. As somatizações, como alergias e intolerâncias a alimentos nem de longe são os piores sintomas. Pode ter menos sorte psíquica a criança que não somatiza nos primeiros anos.

O mais cruel e nocivo dos desmames abruptos é aquele que faz com que a criança prove no seio da mãe algo ácido, azedo ou amargo, especialmente quando isso é associado a uma visão terrível (seios pintados, com band-aid, etc) do seio, objeto que até então só trazia prazer e que aparece repentinamente como algo assustador.

Esses sentimentos e impressões ficam inscritos no córtex para o resto da vida, a confusão entre prazer e desprazer ficará gravada e um dos sintomas mais comuns será a inabilidade da pessoa para acreditar que merece prazer e que ele pode ser algo perene, confiável. Perdurará a impressão de que o prazer pode a qualquer momento virar uma ameaça. Nos piores casos a pessoa não consegue buscar o prazer, já caminha diretamente para a punição.

A amamentação é o prazer absoluto do bebê e ele deve aos poucos, conforme for crescendo, colocar outros prazeres em sua vida até sentir-se apto para se desligar desse primeiro vínculo com sua pulsão pelo prazer.


A mãe pode retirar o peito, mas isso deve ser feito gradualmente, jamais via truques mirabolantes com requintes de perversão e sabotagem ao prazer do bebê.

Não inicie um processo de desmame em momentos conturbados na vida, como início de escola, retorno da mãe ao trabalho, separação dos pais, mudança de casa, doença ou qualquer situação de grande mudança.Texto excelente de Dra. Elsa Giuliani, pediatra, presidente do Departamento de Aleitamento Materno da SBP. Trecho pertinente:

Já se avançou muito na valorização do aleitamento materno nos últimos tempos. A recomendação da duração da amamentação passou de 10 meses na década de 30 para dois anos ou mais nos dias de hoje. Atualmente, fala-se em desmame natural como a forma ideal de desmame, sem especificar uma idade mínima ou máxima para que esse processo ocorra. Apesar desse avanço ainda estamos longe de encararmos o desmame como um marco do desenvolvimento da criança. Para chegarmos a este estágio, faz-se necessário entender e enfrentar as circunstâncias que, segundo Souza e Almeida, “ultrapassam a natureza e desafiam a cultura e a sociedade”.

Segue o relato da mãe Eidi sobre uma situação que fez a filha sofrer como se fosse um desmame abrupto:
Meninas, um dia minha filha estava doentinha e só queria mamar, chegou uma hora que eu disse tranquilamente "filha acabou o mamá, vamos papar tá", ela almoçou (por volta das 13h) e depois disso não mamou mais, chorava, colocava a boca no peito e chorava e não sugava, colocava a cabeça para trás, nesse dia pela primeira vez na vida dela dormiu sem mamar e eu sem entender nada, quando foi de madrugada lá pelas 3h ela acordou chorando muito e dizia "cabou mamá", "cabou", e ali eu entendi o que havia acontecido: ela pensou que havia acabado para sempre então ela nem sugava. Fiquei insistindo com ela até que lá pelas 4h ela pegou e voltou a mamar normalmente. Desde esse episódio, tomo muito cuidado com o que eu digo à Sofia, ela tinha pouco mais de 11 meses e foi capaz de atribuir um sentido definitivo àquela frase.

Esse é o relato e reflexões de Fernanda sobre o desmame abrupto de sua filha mais velha:
Desmamei a minha mais velha abruptamente com 1 ano e 4 meses. Coisa que demorei a perceber que não foi legal. Durante um tempo, tive o discurso do "era a única forma, foi o melhor para ambas e não deixou sequelas". 
Mas consegui felizmente rever minha posição (infelizmente não posso voltar no tempo para desfazer as coisas). Eu me sentia extremamente cansada, ela acordava diversas vezes para mamar, dormia mal, comia mal.
O desmame noturno (era essa minha intenção inicial) parecia a solução para os meus problemas. Apliquei uma espécie de Dr. Gordon (nem conhecia na época), mas no último estágio já.
Decidi que ela não mamaria de meia noite às seis da manhã. Obviamente que ela pediu para mamar e eu neguei e ela chorou bastante. Pelo menos não ficou sozinha, eu fiquei com ela no colo tentando ninar, até que dormiu, mas quase às cinco da manhã.
No dia seguinte ainda mamou algumas vezes e no terceiro dia não pediu mais, nem de noite nem de dia.
E eu pensei, meus problemas acabaram. Ledo engano. Ela continuou a comer mal e acordar todas as noites durante mais 1 ano quase.
Analisando hoje, percebo que ela vinha de um rotavírus (com 1 ano e dois meses), quando ficou praticamente só peito por quase 15 dias e do carnaval, quando ficamos juntas durante 1 semana. Depois retornei ao trabalho e ela à creche, e obviamente que ela transferiu todo esse contato para a noite.
Na época, o cansaço extremo e a falta de apoio (já que eu só ouvia "ela é muito grande para ainda mamar") fizeram com que eu não enxergasse o óbvio.
O desmame ainda trouxe outros problemas, como a alergia ao LV.
Hoje, tenho a oportunidade de fazer diferente com a mais nova, agora com 1 ano e 3 meses, igualmente alérgica a LV (mas no caso dela mais grave, a alergia manifestou-se ainda recém-nascida e faço dieta de LV e derivados desde então).
Ela é uma menina feliz, esperta, independente, embora um pouco insegura com grupos e lugares novos, especialmente sem minha presença.
Acredito que o desmame abrupto não a impediu de avançar em vários aspectos, mas que também não foi inocente e salvador como já cheguei a acreditar.
Também preciso dizer que o desmame abrupto trouxe problemas para mim. Duas mastites seguidas, tamanha a quantidade de leite que ainda produzia, mesmo sem estímulo, e ainda precisei tomar remédio para secar.

Em contraste, o relato  de desmame natural da Isabela, filha mais nova da Fernanda: 

Palavras da pediatra Dra. Relva sobre desmame repentino:
“O bebê mama não só para se alimentar mas para criar um ambiente 'interno' benigno, de chamado á vida."

"Aparentemente, após algum tempo o indivíduo será capaz de constituir memórias de experiências sentidas como boas, de modo que a experiência da mãe sustentando a situação torna-se parte do eu, é assimilada dentro do ego" / Winnicott

Então, amamentar vai muuito além das proteínas, gorduras e sais minerais”

E trocar o peito por mamadeira ou chupeta?

Peito é peito, é natural, é o primeiro contato que o bebê tem, é sua fonte de nutrição e de sucção não nutritiva natural também. 

Chupeta é uma imitação pobre e artificial do peito, e veio depois do peito, foi inventada. Portanto, na verdade o bebê não faz o peito de chupeta, ele faria a chupeta de peito. No peito ele mama, tem o aconchego dos braços da mãe, leitinho, conforto. Na chupeta não em nada disso, é somente um objeto borrachudo sem cheiro, contato materno, aconchego da mamãe. 

Nesse tópico: 
Chupeta x Dedo x Peito

Mitos de amamentação X realidade

Mito 13: Sugar sem o propósito de alimentar-se (sucção não nutritiva) não tem objectivo. Realidade: as mães com experiência em amamentação aprendem que os padrões de sucção e as necessidades de cada bebê variam. Ainda que as necessidades de sucção de alguns bebés sejam satisfeitas primordialmente quando mamam, outros bebês requerem mais sucção ao peito, mesmo quando tenham acabado de mamar a alguns minutos. Muitos bebês também mamam quando têm medo, quando se sentem sós ou quando sentem alguma dor. 

Mito 14: As mães não devem ser a "chupeta" do filho. Realidade: consolar e suprir as necessidades de sucção ao peito é o que preparou a natureza para mães e filhos. As chupetas são um substituto da mãe. Outras razões para oferecer a mama para acalmar o bebê incluem um melhor desenvolvimento oral e facial, o prolongamento da amenorreia, evitar a confusão de sucção e estimular uma produção adequada de leite que assegure um índice mais elevado de êxito da amamentação. Além disso, um bebê tranquilo que encontra consolo em sua mãe, terá um desenvolvimento emocional fortalecido

Desmames não ajudam no sono, são inúmeros relatos na comunidade.

Quando há troca do seio materno por um consolo oral em objetos a tendência é de um apego a objetos oralizantes, num hábito prolongado.

Acordar a noite faz parte da natureza do sono dos bebês, veja esses textos:

8 fatos sobre o sono dos bebês que todo pai e toda mãe deveriam saber
Quando deixam de acordar à noite - resultado de pesquisa

E se o bebê está muito apego e dependente de mim, o desmame não ajudaria?

Desmames não promovem independência, pelo contrário. O peito não é responsável pelo comportamento do bebê, e sim pela própria FASE de desenvolvimento que se encontram. Leituras essenciais:

A natureza da dependência, artigo excelente e esclarecedor!

A necessidade de Apego, do livro ‘The science of parenting’

E o se o bebê não quer comer? 
O desmame não vai melhorar o apetite do bebê, pois é natural e esperado que depois de 1 ano seu apetite diminua mesmo, conforme sua fase de desenvolvimento. Veja explicações do Dr. Gonzalez abaixo:

Por que param de comer com 1 ano?
E se o bebê acorda constantemente depois de 1 ano para mamar?

Precisamos analisar sua rotina (ou falta de), apego e proximidade entre mãe e filho, alimentação (produtos industrializados e açúcares prejudicam o sono), existência de ritual de sono, sonecas restauradoras, maneira de adormecer, uso de TV e outros fatores.

No caso de confirmarmos uma associação de sugar para dormir existem alternativas suaves para desmame noturno, mantendo-se a amamentação durante o dia, como RG (Remoção Gentil):

Método Remoção Gentil (RG) para crianças que associam sugar com dormir:


Preciso tomar medicamentos e o médico ordenou o desmame! 
A maioria dos medicamentos é compatível com amamentação. Pesquise antes de promover um desmame precoce.

Remédios compatíveis com a amamentação


Não conheço nenhum bebê maior de 1 ano que mama no peito, não é hora de desmamar? 

Apoio às mães que amamentam após um ano - Por Carlos González 

Acho que chegou mesmo a hora e não quero esperar pelo desmame espontâneo, como faço o desmame gradual? 

Dicas do livro "Gentle Baby care", de Elizabeth Pantley
Tradução: Fernanda Mainier
Revisão: Luciana Freitas

Primeira é importante a questão: PORQUE desmamar? Pergunte-se a razão da sua decisão. Não há uma época definida para o desmame, pois esse processo é muito diferente para cada mamãe e bebê. Não há uma razão padrão para a decisão do desmame. As razões são tão variadas quanto ás próprias mães e crianças amamentadas. Cada filho seu vai precisar de uma decisão separada sobre o desmame.

1) devagar é melhor: se você permitir que o processo ocorra gradualmente (num período de alguns meses), seu bebê e seu corpo irão se ajustando fazendo o processo mais fácil para ambos.

2) o primeiro passo para o desmame -> tente o método: "não ofereça, não recuse". Isso funciona como um "teste" de quão fácil ou difícil o desmame será. Continue amamentando quando seu bebê pedir, mas não ofereça o tempo todo, automaticamente como algumas mães até acostumam a fazer.
O que pode ser surpreendente é descobrir que algumas crianças estão tão prontas quanto às mães para começar o processo de desmame. Nesse caso, elas estarão abertas a uma rotina que não inclua amamentação.

3) distração funciona! Bebês são ativos, ocupados sempre, tire proveito dessa característica e tente distraí-lo com alguma coisa na hora que ele pede para mamar. Por exemplo, se seu filho geralmente mama quando acorda, você pode chegar com um brinquedo legal ou abrir as janelas e convide-o para ver os passarinhos lá fora. Nas primeiras vezes que você fizer isso seu bebê pode ficar confuso e reclamar um pouco, mas persista um pouco com a distração. Tente mais algumas vezes, mas se o bebê reclamar, chorar muito, amamente. Continue tentando de novo mais pra frente, um belo dia seu bebê vai te surpreender e pedirá pra abrir a janela para ver os passarinhos. Na hora de dormir, uma dica: se você sempre dá de mamar após contar uma estória, prolongue essa estória de modo que ele durma antes do fim.

4) Num minutinho: a tática do "atraso": "Você pode mamar depois que eu terminar de dobrar as roupas", aí quando você olhar ele vai estar ocupado com outras coisas. Ofereça o peito após terminar com as roupas, se seu bebê ainda quiser. Isso reforça a confiança e mostra ao seu bebê que você não está ignorando suas necessidades. Você pode até tentar mais atraso: "Vamos esperar a hora da soneca".
Isso pode ser um modo efetivo de reduzir o número de sessões de amamentação diária.

5) Substitua leite materno por comidas sólidas: Outra técnica que pode ajudar é substituir a mamada por mais comidas (se seu bebê já come e gosta comidas solidas, mais de 1 ano de idade). Se isso já acontece você pode tentar substituir outras formas de conforto e atenção das mamadas por coisas como ler livros, abraços, brincar juntos.

6) Evite seus cantinhos de mamar: a maioria das mães tem um ou dois lugares favoritos para mamar, uma poltrona por exemplo. Se você quiser encorajar o desmame evitar esses lugares que podem despertar no seu bebê o desejo de mamar. Encontre outros lugares e combine essa dica com a técnica de distração (número 3).

7) Encurte as sessões de mamar: outro passo em direção ao desmame é encurtar o tempo que você geralmente amamenta seu filho, e tente incluir uma distração no final da sessão.

8) Substitua brincar por mamar: Algumas mães (às vezes mesmo sem perceber) usam a hora de amamentar como uma maneira de ter um tempo quieto e relaxante com seus bebês. Faça uma decisão consciente de substituir essa sessão de mamar por uma sessão de brincadeiras, em que você dá atenção completa o tempo todo. Seu bebê pode ficar tão contente com isso que poderá até esquecer de pedir para mamar.

10) A dança do desmame: não se surpreenda se seu bebê "captar" seu desejo de desmamar e de repente pedir para mamar como um recém-nascido! Essa é uma resposta natural a uma grande mudança na vidinha deles. Se você atender os desejos e der de mamar por 1-2 dias, isso geralmente passa, e você pode seguir em frente na direção do desmame de novo.
Geralmente o progresso de "amamentar o tempo todo" - "não amamentar" NÃO 'é uma linha reta, 'é mais como uma dança. Mas se você guiar essa dança com afeto e sensibilidade, você acabará dançando no ritmo que escolheu.

Texto organizado por Andréia C. K. Mortensen

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...