segunda-feira, 19 de janeiro de 2015

Relato de Amamentação da Mariana, mãe da Isabel

Eu nunca me vi como alguém que lutou para amamentar. Também nunca vi nenhuma das minhas posturas como sacrifícios... Para mim é tudo tão obvio: a prioridade é sempre o bebê. Então, nada mais natural do que abrir mão do que possa vir a fazer mal para ele. Foi com esse pensamento que, ao descobrir que eu estava grávida, parei de beber, de alisar o cabelo e de tomar meus remédios. Simples assim.

Quer dizer, não foi tão simples assim parar o remédio. Eu simplesmente senti repulsa do meu remédio. Enjôo mesmo, antes de saber que estava grávida. Assim, no terceiro dia em que eu vomitei o comprimido inteirinho, decidi não tomar mais. Poucos dias depois, descobri a gravidez e aí entendi que meu corpo estava defendendo meu bebê. Passei a usar homeopatia com muito sucesso.

Minha filha nasceu num lindo parto domiciliar, mamou na primeira hora. Nunca tive nenhuma dificuldade com pega, falta de leite, bico rachado. Amamentar, para mim, sempre foi algo muito simples, natural e gostoso...e demorado!

Demorado porque Isabel passava mais, muito mais tempo agarrada a mim do que fazendo qualquer outra coisa. Haja sling, cama compartilhada e TV sem som!

Demorado porque chegamos aos 2 anos e 3 meses dela em franca amamentação. Isabel mamava muito quando estava comigo. Mais ou menos por essa época, entretanto, ela pediu para dormir no quartinho dela. Eu achei que este seria o fim da cama compartilhada mas...

Mas eu tive uma briga feia com meu marido, que resultou na saída dele de casa. Não sei se por perceber meu sofrimento e solidão ou se por demanda dela mesma, mas o fato é que a partir deste episódio ela voltou a dormir comigo. E voltou a mamar muito à noite.

Com o emocional em frangalhos, descuidei dos horários das minhas bolinhas de homeopatia. Resultado disso? Uma crise violentíssima do meu até então adormecido lúpus.

Não posso continuar este relato sem falar um pouco da minha doença. Sofro de Lúpus Eritematoso Sistemico (LES) desde os meus 16, 17 anos. Essa doença pentelha me causa muita dor articular, manchas feias pelo corpo, queda de cabelo e uma infinidade de outros incômodos. Dói muito. Muito mesmo.

Além dos sintomas aos quais eu já estava acostumada, dessa vez tive meus músculos atacados, perdi massa muscular, senti muita dor e fiquei muito fraca. Tive uma desidratação violenta, meus rins funcionaram mal, pulmão e coração ficaram debilitados. Eu tinha falta de ar todos os dias, taquicardias assustadoras, sensação de desfalecimento ao mínimo esforço. Tudo isso tendo que cuidar da Isabel sozinha, sem marido, triste como nunca. E amamentando!

Não procurei meu reumatologista porque sabia que ele me mandaria voltar pros remédios fortes que me impediriam de amamentar. Adiei o máximo que eu pude esse retorno. Eu sabia, eu sentia que Isabel precisava ainda mamar. Fui levada às pressas para o hospital por duas vezes, fui atendida na emergência e voltei para casa porque queria continuar amamentando minha pequena. Nesse estágio, amamentar era a única coisa que eu ainda conseguia fazer por ela, pois fraca e sentindo fortes dores, não conseguia mais pegá-la no colo, nem banhá-la, nem a pôr para dormir. Nem nada. Minha família se revezava na minha casa para me ajudar com tudo, absolutamente tudo. Eu não conseguia mais cuidar de mim...ou dela.

Um dia, enquanto ela mamava, senti meu corpo desfalecer. Achei que morreria ali, com minha filha sugando o que restava da minha vida. Rezei baixinho, pedi a Deus que me deixasse ficar um pouco mais aqui na terra. Pedi a Ele que não deixasse minha Isabel sem mãe tão cedo. Eu sabia que ela mamava pedindo a mesma coisa. Eu sabia que o peito, naquela hora, era para ela o desejo de ainda ter mãe.

Eu precisava desmamar. Eu precisava viver.

Foi a decisão mais dura que já tomei. Foi a decisão mais difícil da minha vida. E a mais solitária também. Ninguém entende uma mãe de filha grande que, vendo a morte tão de perto, tem dúvidas sobre voltar a tomar os remédios. Chorei. Minha alma chorou. Desmamei. Abruptamente, como não imaginei que aconteceria nem em pesadelos.

Disse para a Isabel que a mamãe estava muito doente, mas que a mamãe queria ficar boa. Disse que, para ficar boa, a mamãe ia precisar tomar um remédio que estraga o leite. Pedi que ela mamasse pela última vez, para se despedir. Nunca vou esquecer os olhinhos dela me mirando fixamente naquela “última mamada”. Não teve choro, não tivemos testemunhas. Ela esvaziou, pela primeira vez, as duas mamas e me disse “Pronto, mamãe! Pode tomar o remédio.” Eu tomei um comprimido qualquer, apenas para finalizar o ritual.

Essa noite foi difícil. Minha filha chorou muito a noite toda pedindo o peito. Pedindo para “beber mamá”. Eu chorava no meu quarto. Chorava a dor no corpo, chorava a injustiça de não poder amamentar. Chorava o peito que transbordava de um leite que não podia ser da minha filha. Chorava o medo da morte. Choramos as duas por toda aquela dura noite.

No dia seguinte fui levada ao hospital...dessa vez não saí de lá.

Os primeiros dias no hospital foram de muito sofrimento físico. A dor era tanta, por todo o corpo, que eu não conseguia lembrar direito que tinha uma filha. Lembro de ter implorado a Deus que me levasse. Chega desse sofrimento. Lembro de ter gritado, de ter chorado. Lembro de não melhorar. Lembro que, em algum lugar da minha alma, sentia haver nesse mundo menininha que me chamava de mamãe...e que isso era razão para lutar por uma vida que parecia não querer ser mantida.

Lembro também que comemorei quando finalmente me deram os tais remédios dos quais havia fugido pro tanto tempo. Por uma infeliz ironia, eu agora não conseguia querer outra coisa que não fossem justamente aqueles remédios. Os peitos pareciam tão vazios de leite quanto o corpo estava vazio de vida.

Foi no oitavo dia de internação que aconteceu o inesperado. Eu estava tomando meu café da manhã, sozinha no quarto quando de repente os peitos encheram. Transbordaram ao mesmo tempo! Dois jatos de leite saindo sem parar, me lembrando que eu era mãe, me lembrando que eu era nutriz...cruel lembrança. Esse leite não alimentaria ninguém. Esse leite não servia para nada.

Lágrimas, muitas lágrimas nos olhos e na alma. Ordenhei ali mesmo e enchi dois copos. Me socorreram. Aos prantos, fui levada para a maternidade do hospital, onde ordenhei mais uma mamadeira cheia em cada seio. Tanto leite, tanta fartura...e minha Isabel tão longe de mim.

Foram mais 12 dias internada depois deste único episódio. Vinte dias ao todo. Vinte dias sem ver minha filhinha. Uma amiga me levou uma homeopatia para “secar” o leite. Decidi não tomar. Meu corpo saberia o que fazer.

Quem já passou algum tempo longe dos filhos será capaz de entender a emoção do reencontro. O que ele tem a ver com o meu relato? Nada! Mas não posso deixar de contar que abraçar a minha filha depois daquela longa internação foi como encontrar o paraíso depois de ter estado no inferno. Encontrei uma Isabel tão diferente! Maior, mais falante. Mas ainda assim, minha!

Já em casa, ainda fraca, recuperando-me, tive que lidar com o rostinho da minha Isabel pedindo para mamar. Meu peito sempre cheio, roupas molhadas como se eu fosse uma puérpera. Choro dela, choro meu. Dias duros. Dor doída. Dor profunda que não desejo a ninguém.

Nesse meio tempo meu marido voltou para casa. Estamos até hoje tentando nos reencontrar, tentando reencontrar aquele amor tão lindo que eu sei que está por aqui em algum lugar.  Deve estar só um pouco empoeirado...

Três meses se passaram.

Um dia, passei mal a caminho do trabalho. Quase me arrastando, fui para o serviço médico do meu trabalho. Socorrida, fui orientada a procurar minha médica pois eu estava tendo sintomas de superdosagem de medicamento.

No dia seguinte minha médica me atendeu no hospital. Refez os exames e, surpresa das surpresas, estavam quase todos normais! Milagre? Eu acredito neles! Como meus remédios são fortíssimos, não podem ser retirados do organismo de uma só vez. Começaríamos o que costumam chamar de “desmame”. Ironia semântica...

Cheguei em casa e Isabel já dormia. Quando ela me viu no dia seguinte, perguntou imediatamente “Mamãe, já posso mamar?”

-Não sei, minha filha. Vou perguntar para a minha médica.

Poder, não podia. Dos sete medicamentos que eu ainda tomava, havia um sobre o qual não havia estudos relativos à amamentação. Seria arriscado, não se sabe o que aconteceria. Pedi para parar de tomar aquele remédio.

A médica, mesmo sem entender minha insistência, disse que poderíamos adiar (desde que não por muito tempo) aquela parte do tratamento. Foi com lágrimas nos olhos e calor na alma que recebi aquela notícia. Guardei segredo.

Na tarde do dia primeiro de fevereiro de 2013, estávamos só nós duas em casa. Isabel de banho tomado, dente escovado, pronta para dormir. “Mamãe, posso mamar?”

-Pode, minha filha!
-De verdade?!?!?!
-De verdade! A médica deixou.

Ela abriu minha blusa lentamente. Olhou meu seio demoradamente, acariciou...olhou para mim e sorriu. “Vai, filha! Mama!” Ela beijou o mamilo. Encostou a boquinha e me perguntou “Pode mesmo?” “Pode, meu amor!”

Foi um recomeço desajeitado...aquele tempo sem mamar fez com que ela esquecesse como se faz. Pela primeira vez nas nossas vidas, a pega estava errada. Doeu! Trinquei os dentes, fechei os olhos. Essa dor é fácil suportar!

Não sei quanto tempo ficamos ali deitadas. Sei que era dia quando começamos e noite quando ela, já dormindo, largou o peito. Quem se importa com horas, minutos? Como se preocupar com o tempo quando aquele seio há tanto abandonado reencontrou aquela boquinha amada? O cheirinho doce do cabelo molhado da minha Isabel entrando pelas narinas, minha vida novamente circulando para o corpo dela. Meu leite novamente útil! Eu, novamente MÃE.

Esse relato termina sem fim. Espero poder, daqui a pouco (ou muito!) relatar um desmame natural como eu sempre desejei e como minha filha merece. Espero poder dizer que minha doença foi controlada. Por enquanto, só posso dizer que minha filha reaprendeu a mamar. As feridas ainda existem nas nossas almas e na nossa memória, mas estão se curando.

Aos críticos, digo apenas que nós duas sabemos que a amamentação ainda é necessária. Mamando, minha filha supera a longa ausência da mãe dela. Mamando, recuperamos um tempo perdido. Mamando seguiremos até onde der...ou até que não precisemos mais.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...